29 agosto 2014

Ilsa, She-Wolf Of The SS (1974)


Outros títulos: Ilsa - A Guardiã Perversa da SS
Dirigido por: Don Edmonds 
Duração: 96 minutos
País de Origem: Estados Unidos da América
Legenda: Português

Comandante Nazista cruel durante a Segunda Guerra, Ilsa, tem condutas sádicas e aplica experiências de tortura em várias mulheres, utilizando-se do artifício de provar que as mulheres têm um ponto de resistência à dor acima dos homens. Com um comportamento beirando a demência conduz suas teorias vis com o uso de métodos de extrema violência sob os prisioneiros de guerra.

Pilar do subgênero Nazi Exploitation, "Ilsa - She Wolf of the SS" é um filme de baixíssimo orçamento, mas não preguiçoso.


Sem distanciamento estilístico, portanto, mas curiosamente no conteúdo sim: a obra, consciente disso ou não, não toma partido de nenhum lado – não é um filme para despertar comoção e ódio, mas para causar excitação e nojo.

O conteúdo gore-erótico é indubitavelmente bom, com cenas assustadoras e agonizantes e sexo softcore kitsch fetichista como ele só; mas o que foi criado para costurar uma cena à outra é tão ridículo que chega a ser hilário – difícil controlar as risadas quando o antagonista de Ilsa começa a explicar seu plano envolvendo o seu controle sobrenatural sobre sua ereção. Difícil acreditar que faça par com cenas como a da mulher torturada, já totalmente deformada e coberta de sangue, tentando se vingar da comandante, encenada com um realismo composto escabroso. É a essência do cinema grindhouse afinal; parte atraente e chamativo, parte demente e controverso… E com suas doses de humor involuntário pelo sem número de cenas e diálogos constrangedores.

Obras como "Ilsa" são essenciais pois põem o espectador em contato com seu lado mais obscuro sem usar de subterfúgios. Levando em consideração algo tão extremo que beira o ridículo, e disso Buñuel entendia bem, rir e ter medo de si próprio encarando sua ambígua humanidade pode ser um processo quase catártico; no qual, no mínimo, se adquire um pouco de autoconhecimento.

VEJA ONLINE

Nenhum comentário:

Postar um comentário