21 março 2014

Necromantik (1987)


Nekromantik
Dirigido por: Jörg Buttgereit
Duração: 75 minutos
País/Idioma: Alemanha (Legendado)


Agora sim, um dos meus preferidos !!! perdi a conta de quantas vezes já vi essa obra de arte do mundo da necrofilia...

Jörg Buttgereit entrega Nekromantik ao público alemão em 1987, e antes quem pensara que seria apenas uma combinação do  hard sex e hard gore, há um fio romântico, o diretor consegue levar o conceito de "não se pode transar sem estar duro" e desencadeia uma resposta emocional devastadora. 


Para um caso de baixo orçamento, a música,o visual e o desenvolvimento do caráter com expressão de dor retrata adequadamente um conto de amor, luxúria, perda e desânimo. Este drama diurno é astutamente disfarçado como um sujo triângulo de amor entre um profissional triturador de cadáver, sua linda mulher pervertida  e uma carcaça humana em decomposição encontrada no fundo de uma lagoa.

Se você gosta de animaizinhos não irá gostar nem um pouco da cena snuff. A morte real de um coelho que sangra até a morte após ter seu pescoço furado. Ver os espasmos do animal não é pra qualquer um. Posteriormente, ele é esfolado e tem suas vísceras retiradas. O assassinato do coelho não aconteceu durante as filmagens, foi um snuff video que o diretor Jorg B. conseguiu e decidiu colocar.

Um dos grandes pontos positivos do filme são as performances, especialmente do anot Daktari Lorenz Seu Rob é muito bem caracterizado e, na verdade, um personagem que vemos no nosso mundo real. 

Nekromantik é tão artístico em seu propósito que é fácil perdoá-lo por suas falhas, sejam elas morais ou cinematográficas. Os efeitos são fracos, porém o "cadáver principal" de betty é bastante realístico, o bastante para fazer o estômago de alguns embrulhar (ou excitar). É um daqueles filmes que todos detonam no lançamento mas que, anos depois, se desenvolve em um irracional culto de seguidores. Hoje em dia, em comparação com filmes mais modernos do gênero, o filme não parece assustar, na verdade, para alguns, pode ser até cômico, mas ainda assim, é bastante significativo. É uma grande metáfora do amor perdido e de como a solidão pode levar um homem à beira da sanidade. 
Ajudou a inaugurar a era dos filmes de horror extremo e, por isso devo gratidão. Goste ou odeie, nekromantik tem sua estrela na calçada da fama do cinema gore. 

Um comentário: