14 fevereiro 2014

NIGHTBRINGER (Entrevista)


Entrevista com Naas Alcameth (vocal e guitarra)
entrevista conduzida por Sargon 
Data: 19 de maio, 2010

Sargon: Nightbringer existe há cerca de dez anos antes do lançamento de Death and the Black Work. Conte-nos como a banda se formou e o que causou a longa espera para gravar um álbum.


Naas: Nox e eu tínhamos desempenhado juntos anteriormente em bandas black-death antes da formação de Nightbringer. Nós dois havia escrito black metal em torno deste mesmo tempo e então tivemos mais interesse em prosseguir neste projeto. Os primeiros anos foram em grande parte improdutivos, como nossas composições e materiais estavam desmartelados com apenas duas faixas rústicas gravadas em quatro faixas para mostrar para ele, que eventualmente foram liberados na Horde Of Darkenwood (Split) em 2001. 
Por volta de 2000 Ophis começou a trabalhar conosco e juntos compomos as faixas "Mors Philosophorum" e The Void", e que, finalmente, foram registrados pelo  Hellion Studios em 2003. Inicialmente, essas duas faixas supostamente iriam ser lançadas pela Synvorlath's (ex-Demoncy) label Vae Victus, mas depois ele desapareceu. Fomos então abordados pelo FMP no ano seguinte.
Entre 2004 e '05 nós terminamos mais duas faixas e, em seguida, lançamos nosso primeiro álbum próprio via FMP. Death and the Black Work não era nosso primeiro álbum. Quanto ao progresso lendo está em causa, nós simplesmente estávamos desorganizados para os primeiros anos da nossa existência e no que diz respeito ao Death and the Black Work, houve muitos atrasos e uma boa parte do álbum foi regravado.

Sargon: Qual é a filosofia e intenção por trás de sua música? O que você acha que o distingue de outras bandas de Black Metal?

Naas: Nightbringer é baseada em conceitos esotéricos tradicionais. Esses conceitos foram desenvolvidos ao longo dos anos, como os estudos pessoais de Ophis e minha progressão. A "morte profunda" é um "tema" central. Nós tocamos conceitos que incluem alquimia, teurgia, e esoterismo oriental, tudo a partir de uma perspectiva do Caminho da mão esquerda. Nós sentimos que nosso som, embora tenha suas influências, tem caráter distintivo, como representa nossa abordagem lírica.

Sargon: Obviamente algumas das músicas do Death and the Black Work apareceu nas Demos anteriores e outros enfeites, são algumas das canções similares no Apocalypse Sun em ter sido trabalhadas e retrabalhadas por anos, ou são todas novas?

Naas: Comecei a compor para Apocalypse Sun antes de Death and the Black Wor, ser lançado, embora nenhuma das faixas foram gravadas antes da liberação.

Sargon: A banda parece ter exercido uma formação bastante estável desde que começou, há uma razão para essa firmeza?

Naas: Os principais três membros têm permanecido os mesmo pela maior parte, mas diferente, tem sido tudo, menos estável. Grimnar de Serpentinam era realmente um membro original desde 99, mas depois de alguns meses, mudou-se para fora do estado. Tivemos vários membros, incluindo alguns ex membros do Demoncy, bem como alguns outros. Nós sempre tivemos a necessidade de reuniões ao vivo para nos desempenharmos nas reuniões ao longo de nossa existência. Grimnar está agora escrevendo para nós de novo, e nós recentemente ganhamos um baixista.

Sargon: Eu sei que vários membros da banda estão envolvidos em projetos paralelos, como Serpentinam e Temple of Not. Há planos de continuar neles, ou Nightbringer é o foco agora?

Naas: Nightbringer é o foco principal. Eu continuei com ToN do lado. Serpentinam está morto, ou melhor, absorvido.

Sargon: O que inspirou as músicas da banda Nightbringer no início, e o que inspiram agora? Elas estão iguais ou diferentes?

Naas: Em nossa adolescência estávamos muito dentro do Black metal europeu bem como alguns black/death e banda de Thrash. No ínicio foram bandas como Emperor, Old Thorns, Burzum, Mysticum, Manes, de modo em que a maioria nos influenciou na medida sonora. Conforme avançamos no Black metal esses dias, eu prefiro bandas que possuem um som consistente e uma mensagem a ser pregada, como Ofermod, Mortuus e semelhantes. Fora isso eu ouço bastante Ambient como Sephiroth, Lustmord, Herbst 9, bem como alguns clássicos.

Sargon: Onde você quer que Nightbringer vá no futuro? Qual seria a expressão máxima de sua música?

Naas: Nosso único foco é a criação da música que reflete poderosamente o espírito em cima desde que Nightbringer foi fundado. Nosso ideal é grandioso, e esperamos que cada lançamentos nos traga mais perto de alcançar plenamente o nosso objetivo.

Sargon: Você é capaz de criar os tipos de humores e sentimentos que você quer viver? Quando você está escrevendo música você está pensando em gravação ou performance ao vivo? 

Naas: Eu sinto que somos capazes de transmitir com sucesso a atmosfera desejada em um ambiente ao vivo, embora possa ser um desafio às vezes, devido às variáveis. No que diz respeito a escrita está em causa, eu continuo gravando tudo em mente, apesar de eu tentar não ultrapassar o que pode ser reproduzido em um ambiente ao vivo, se possível.

Sargon: Há algo que nunca foi lhe perguntado mas você gostaria de responder?

Naas: Não, não há.



Tradução feita por mim,
Créditos http://www.metalcrypt.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário