05 novembro 2013

Teoria da Magicka interna

by: NAOS
Fundamental para magicka é a crença que o mundo fenomenal dos cinco sentidos é incompleto. Magickos acreditam que vivemos em um mundo completamente diferente do que nossos cinco sentidos nos mostram - eles acreditam que todas as coisas vivas possuem, porque são vivas, certas energias que nós como indivíduos podemos sentir e “ver”, se nós nos tornamos receptivos a elas. Essa receptividade é uma das metas da magicka ou iniciação oculta – e pode ser dito que envolve o individuo em tornar-se ciente da essência das coisas que estão escondidas pela aparência exterior delas (e isto se aplica a outros indivíduos, tão bem quanto “coisas”).


De acordo com a tradição Septenaria, estas “energias magickas” possuídas pelas coisas e “vida” derivam do que é conveniente descrever como acausal – isto é, toda entidade viva é um ponto ou região onde as energias acausais manifestam em nosso universo causal, fenomenal, a soma e tipo dessa energia sendo dependente do tipo de entidade.

Estas energias acausais (a qual a ciência no presente por tratar somente de entidades e energias causais, não pode descrever) podem ser ditas derivar de um universo acausal paralelo o qual entrecorta nosso universo causal em certos lugares. 

Nós como indivíduos, porque nós possuímos a faculdade da consciência, somos portais para este universo acausal. Nós possuímos (a mais latente) habilidade para “abrir o portal” para o acausal que existe dentro de nossa própria psique para atrair do acausal certas energias, e estas energias podem e fazem alterar de algum jeito tanto nossa própria consciência ou outras entidades/energias que existem no causal. Esta “atração de energias”, e seu uso é magicka. Magicka Externa é o uso de tais energias, direcionadas pelo desejo individual, para trazer mudanças no causal; Magicka Interna é o uso dessas energias para trazer mudança interna, psíquica.

Para atrair tais energias é usualmente necessário para o individuo usar algumas formas de estrutura de trabalho ou simbolismo, e técnicas de magicka externa usam tal simbolismo para trazer compreensão das energias e o seu controle. Vários sistemas de simbolismo existem – a maior parte indicando tipos de energias por deuses, deusas, espíritos ou demônios. Na realidade, os atuais símbolos são somente de importância secundaria, e um Magicko que está seguindo o caminho para Adeptidade logo descartará tais símbolos/nomes/descrições (e assim a própria magicka externa) em favor da compreensão de tais energias como essas energias são. Na tradição Septenaria isto é feito primeiro pela “Arvore de Wyrd” (as sete esferas e os caminhos que as conectam - ver Apêndice I) e então através do “Jogo Estelar”. A Arvore de Wyrd pode ser vista como um mapa da consciência individual (da psique) e daquelas regiões diferentes das individuais onde o acausal e causal se encontram. O simbolismo das esferas e os caminhos (as cartas do Tarot, planetas, incensos, ‘deus-formas’ e outros) são o primeiro ou estágio de Iniciado de compreensão do Jogo Estelar.

Magicka Externa é dividida em duas formas ou tipos: hermética e cerimonial. Magicka hermética é basicamente aquela envolvendo somente um ou dois indivíduos, enquanto que magicka cerimonial envolve mais e pode dito ser magicka “formal” envolvendo rituais ou ritos específicos (usualmente escrito e seguido exatamente) e um Templo/coven/grupo organizado (a Parte Dois do presente trabalho trata somente com magicka hermética da tradição Septenaria - o lado cerimonial é coberto em trabalhos semelhantes como “O Livro Negro”). Já a Magicka Interna é sempre individual.

 Texto NAOS - Order of Nine Angles

Nenhum comentário:

Postar um comentário