23 outubro 2013

A Alquimia Proibida

Uma Introdução para Magicka Negra Esotérica

Alquimia genuína tem duas formas básicas: primeira, a exploração a respeito da transformação de matéria; e, segunda, a psicológica - magicka. O segredo da primeira forma é a interação entre o alquimista e a substância passando por transformação por meios químicos ou outros. Isto é, o alquimista de modo sutil (‘Oculto’) ajuda as transformações sendo um Elixir de Imortalidade. Para o alquimista seguindo essa
forma de alquimia, a mudança dos ‘metais base’ em ouro era somente um estagio no caminho para a meta derradeira.

A segunda forma de alquimia é a respeito com a mudança do alquimista – e isso requer que se sigam certos específicos e frequentemente complicados procedimentos.
A meta aqui é ‘Adeptidade’: a emergência de um novo individuo das cinzas do velho. A meta derradeira é ainda ‘Imortalidade’, mas uma diretamente alcançada, antes que, como na primeira forma, a criação de um “Elixir” o qual é obtido pelo alquimista após um período de tempo. A natureza exata dessa ‘Imortalidade’ foi o objeto de tanta especulação.
Dois aspectos desse segundo tipo de alquimia – a ‘alquimia proibida’ – tem se descoberto nos últimos cem anos ou mais. Entretanto, esses dois aspectos – cruciais como eles são para a genuína Arte esotérica – fazem somente uma parte do sistema proibido.
O primeiro desses a receber atenção era o elemento sexual que está envolvido no alcance da meta colocada. O segundo é o ‘psicológico’ onde os processos, métodos e símbolos são entendidos (por ex., Carl Jung et al) como o usualmente inconsciente esforço da psique individual por ‘integridade’ ou ‘individualização’.

Na realidade, a alquimia proibida era uma ciência (ou um modo de vida pratico como alguns preferem dizer) o qual por um longo período de tempo veio a reconhecer que para alcançar a meta colocada de Imortalidade e/ou Adeptidade Oculta/Magicka, era necessário não somente simbolizar certas energias naturais e certos estados de ‘existência’, mas também empregar em certos estágios um elemento sexual pratico. Essas idéias – desenvolvidas na Idade Média e passadas em alguns dos agora famosos textos alquímicos – eram uma continuação de umas anteriores: particularmente aquelas de algumas das escolas de mistério da Grécia Antiga. No tempo em que os textos foram escritos, a Europa Ocidental estava sobre o jugo totalitário da igreja Nazarena, e parte da razão para a obscuridade dos textos era por causa que as idéias básicas eram heréticas – o desejo de obter Imortalidade independente de ‘Deus’, e a natureza sexual de alguns dos trabalhos. O resto da obscuridade foi devido a: (a) a natureza complexa das idéias, com uma confusão de ‘teologias’ e (b) um desejo deliberado de fazer os textos esotéricos, onde os segredos poderiam ser revelados para Iniciados de confiança ou aqueles já suficientemente esclarecidos (isto é, livre da tirania mental da crença Nazarena) para alcançá-los intuitivamente.

A visão pega em alguns círculos em anos recentes da alquimia como uma espécie de ‘tantra Ocidental’ é desencaminhadora e incorreta, como é a crença que ela era um sistema puramente ‘psicológico’ – enquanto oposto ao pratico. A visão anterior ignora: (i) a significância vital do simbolismo (alguns do qual é puramente abstrato e não ‘simbólico’) em fazer possíveis avanços em pensamento e entendimento; e (ii) os estágios além daqueles envolvendo atividade sexual. A visão posterior ignora (ou antes, mal interpreta) a importância não somente dos aspectos práticos, magickos, mas também o fato que a alquimia proibida era essencialmente um sistema de auto experimentação no mundo real, envolvendo o alcance de metas e tarefas especificas.

Isso, junto com os aspectos sexuais, faz esse Caminho diferente do interno, contemplativo que floresceu em certas instituições Nazarenas. As idéias fundamentais da alquimia proibida continuaram a ser desenvolvidas com o passar de décadas e séculos após os MSS preliminares serem escritos, e a tradição que se desenvolveu foi passada de mão em mão na maior parte por Adeptos solitários.
Essa tradição pode ser dita ter alcançado seu clímax no ‘Caminho Septenario’. No Caminho Septenario as idéias fundamentais tem sido clarificadas e refinadas tão bem quanto estendidas, e o próprio Caminho é um sistema pratico destituído de dogma e misticismo. Ele era, até muito recentemente, genuinamente esotérico.
As idéias fundamentais desse Caminho ou ‘Alquimia Interna’ podem ser brevemente colocadas:
1) No desenvolvimento de auto-entendimento, tão bem quanto no entendimento de forças naturais e ‘Ocultas’, um simbolismo abstrato é importante: tal simbolismo permite não somente compreensão daquelas áreas (da consciência, por exemplo) normalmente não responsáveis pelo pensamento (e assim controle e desenvolvimento consciente) mas também desenvolve novas áreas da consciência.
O simbolismo abstrato é de dois tipos; o primeiro sendo a Septenaria ‘Arvore de Wyrd’ com as correspondências associadas com cada esfera e os caminhos conectando aquelas esferas; o segundo sendo os símbolos abstratos do Jogo Estelar. A primeira espécie é um desenvolvimento do simbolismo alquímico ‘tradicional’, enquanto a segunda é um desenvolvimento inteiramente novo, e um que contém o
total do primeiro.
Essa primeira espécie capacita, no nível pratico, a exploração e assim integração/transcendência das áreas escondidas/inconscientes/Ocultas de nossa própria consciência e o cosmos. Isto é, em efeito, um aprendizado magicko e alquímico e envolve trabalho pratico com os símbolos – um ritual magicko, por
exemplo, sendo o uso de símbolos específicos representando certas energias Ocultas ou magickas.
A segunda espécie leva o individuo além disso – em direção do próximo estagio de nossa evolução consciente com o desenvolvimento de níveis superiores de consciência e novas introspecções.
2) O trabalho pratico envolvido é dividido por conveniência em sete estágios. Vários desses estágios envolve o individuo (o ‘alquimista’) em encontrar e trabalhar com uma companhia do sexo oposto, alguns dos trabalhos sendo de natureza sexual. Isso é uma exploração da consciência: uma confrontação com o anima/animus e outros.
Cada um desses sete estágios é representado por um Ritual de Grau – uma série de tarefas, trabalhos e rituais que desenvolvem auto-introspecção e entendimento em geral, e que aumentam as habilidades ‘Ocultas’ do individuo. Por seguir os estágios progressivamente, empreendendo o Ritual de Grau apropriado, o individuo alcançará introspecção e ultimamente Sabedoria: a ‘Pedra Filosofal’.
3) O simbolismo da Arvore de Wyrd é derivado das forças/energias representantes do cosmos (e assim cada consciência individual) em termos da dualidade do causal e acausal – as sete esferas da arvore representando o desenvolvimento (ou melhor, a potencialidade inerente em cada consciência individual) não somente em cada consciência individual a partir do inconsciente através do ‘ego’ e ‘self’ para Adeptidade e além, mas também a evolução do próprio cosmos, em termos de sua própria ‘consciência’ ou Ser.

Nos primeiros estágios, o causal é frequentemente considerado como um aspecto ‘racional’ da psique individual, o acausal como os aspectos ‘inconscientes’ ou magickos. A meta dos primeiros estágios do Caminho é por o individuo a experimentar (e desenvolver) ambos e uni-los, alcançando a transcendência.
O que é importante compreender sobre o Caminho Septenario é que ele é um sistema completo e pratico, destituído de dogma e mistificação, o qual capacita qualquer individuo, se eles possuírem o desejo necessário, a alcançar Adeptidade e além. Ele é um Caminho único e esotérico o qual, enquanto firmemente enraizado no genuíno esoterismo do Ocidente, é apropriado para o século vinte e um e além: por exemplo, o Jogo Estelar contém, em seu simbolismo e técnicas, toda a sabedoria da alquimia, magicka e o ‘Oculto’ em geral tão bem como sendo uma ponte para o futuro. Ele é, em essência, uma nova forma de linguagem – e enquanto essa nova linguagem, para alguns, pode ser difícil de aprender no começo, ela abre novas e excitantes áreas, novas possibilidades e novas dimensões. Para encurtar, ele eleva nosso Ser,
estendendo nossa consciência.

As tarefas e Rituais de Grau associados com o Caminho Septenario, junto com as correspondências, são dados em detalhes no manuscrito “Magicka Physis – Um Guia Pratico para Tornar-se um Adepto’. A maioria disso brevemente será publicado no livro ‘Naos – Um Guia para Sinistra Magicka Hermética’. O resto dessa publicação de ‘Fenrir’ é devotado ao Jogo Estelar. Leitores perceptivos entenderão de uma vez porque essa alquimia ‘proibida’ é essencialmente Magicka Negra. É simples, é porque ela permite a evolução do individuo de acordo com seus próprios desejos em um modo pratico. Sua essência é experiência pratica: de energias Ocultas/magickas (causais e acausais – isto é, ‘luz’ e o ‘sinistro’) mas igualmente importante da própria vida. Ela não é um sistema ‘teórico’ destituído de perigo pessoal – ela é elevadora da vida, oferecendo as recompensas dos deuses, causais e acausais (e o que está além de tais opostos - aquilo que pode ser expresso somente por Caos: a origem de Existência e Não-Existência).
Um breve guia para os sete estágios é dado abaixo.

1) Empreenda ritual auto-iniciação sinistra. (Um despertar dos aspectos
sombrios/inconscientes)
2) Empreenda trabalhos com esferas e caminhos Septenarios. (O inicio do fazer essas
energias conscientes pelo simbolismo).
Procure e encontre uma companhia conveniente. E Inicie esse individuo. (O inicio da confrontação do anima/animus). Comece a estudar o Jogo Estelar. (As energias são mais objetivadas e manipuladas).
3) Comece a organizar um grupo de trabalho magicko, com você mesmo como ‘Sacerdote/Sacerdotisa’ e sua companhia como ‘Sacerdotisa/Sacerdote – faça rituais cerimoniais e herméticos de acordo com seus desejos. (Isso é uma vivencia do papel de ‘sombra’/’enganador’/magicko). Empreenda O Ritual de Grau de Adepto Externo. (O inicio de uma consciência do que é além do ‘ego’ e a ‘sombra’).
4) Estude os aspectos esotéricos do Jogo Estelar – magicka do Jogo Estelar/aspectos aeonicos etc. (O desenvolvimento de níveis cerebrais elevados tão bem como intimações do ‘self’ e além). 

Continue com o grupo organizado (por pelo menos seis meses). (Desenvolva qualidades pessoais, habilidades e consolide os aspectos do anima/animus).

5) Prepare-se e empreenda o Ritual de Grau de Adepto Interno. (A emergência do self, durante o ritual, com a auto-introspecção e habilidades Ocultas conseqüentes. Isso também traz consciência sobre sei Destino único).
6) Estude e use o ‘Jogo Estelar Avançado’. (Níveis adicionais de consciência desenvolvidos). Cumprimento da tarefa do Destino único. (Criatividade – contribuindo com conhecimento/trabalhos artísticos ou ensinando. O cumprimento da potencialidade do self). Prepare-se e empreenda o Ritual de Grau de Entrada do Abismo. (Onde o ‘self’ é destruído, o cosmos entendido sem referencias a dualidades,
e Sabedoria alcançada).
O estagio (2) geralmente leva de três a seis meses, o estagio (3) se seis meses a um ano. O estagio (4) mais que um ano. O estagio (5) de um a muitos anos.

 É o seguimento das tarefas, técnicas etc. de cada estagio em seqüência no tempo indicado que traz sucesso.

Texto NAOS - Order of the Nine Angles 

Nenhum comentário:

Postar um comentário